O controle financeiro é decisivo para que a empresa de transporte e logística se mantenha competitiva e de portas abertas. Veja por quê!

Sem um controle financeiro adequado sobre o transporte e logística, fica muito mais difícil planejar e executar qualquer tipo de ação ou mesmo conseguir financiamentos externos. Além disso, a saúde financeira da empresa fica comprometida e os riscos de fechar as portas aumentam.

Para se ter uma ideia da importância de um controle financeiro, segundo pesquisa da Fundação Dom Cabral, os custos de transporte e logística consomem 11,19% da receita das empresas. Deste percentual, 44% vem dos custos de transporte de longa distância e 19,06% do armazenamento.

Existem ainda, outros fatores bem importantes para se ter um controle financeiro nas empresas de transporte. Veja agora quais são e conheça os impactos negativos de um mal gerenciamento.

Por que é importante ter um controle financeiro no transporte e logística?

Um bom gestor entende que manter as despesas controladas é um fator decisivo para o bom funcionamento de uma empresa. Não adianta, por exemplo, ter o melhor produto ou serviço de transporte e logística se os gastos forem tão altos que ultrapassam as receitas.

Como você bem sabe, o transporte de cargas é um processo que não custa pouco, principalmente se ele é mal gerenciado. Inclusive, muitos empresários investem na terceirização deste trabalho, apostando nos serviços de empresas de transporte de cargas como a sua.

Deste modo, ao contratarem sua transportadora, esses clientes esperam contar com um serviço seguro, de qualidade e mais: com um preço justo! É aí que entra o seu controle financeiro, pois somente ele fará com que a sua transportadora ofereça uma parceria qualificada e com preço competitivo.

Quais são os impactos que a empresa de transporte de cargas pode sofrer sem um controle financeiro eficiente?

Antes de partirmos para os impactos, você precisa lembrar quais são os custos de uma empresa de transporte de cargas, dividindo-os em duas frentes: fixos e variáveis!

Custo fixos:

  • Sistemas de gestão;
  • Sistemas de rastreamento;
  • Impostos;
  • Seguros dos veículos;
  • Salários de funcionários;
  • Depreciação dos veículos.

Custos variáveis

  • Manutenção dos veículos;
  • Acidentes;
  • Combustível;
  • Lubrificantes;
  • Troca de pneus;
  • Pedágios;
  • Multas de trânsito;
  • Tarifas das administradoras de pagamento eletrônico de frete;
  • Comissões de agenciadores de cargas;
  • "Chapas" ou ajudantes de movimentação de carga;
  • Diárias de motoristas e ajudantes.

Por ter várias despesas diariamente, como descrito acima, uma transportadora precisa de investimentos consideráveis para conseguir executar viagens mais rápidas, seguras e de qualidade. Sem o controle financeiro adequado, é bem provável que na hora de investir, o dinheiro disponível não seja suficiente e os prejuízos apareçam.

Manter a empresa de transporte de cargas forte no mercado exige, portanto, que se tenha um controle de gastos e de entradas. Mesmo que o esforço para entregar um serviço de qualidade seja grande, de nada vai adiantar se não houver um controle financeiro eficiente. Quando você se der conta, vai perceber que os serviços aumentaram, mas o caixa da empresa só diminuiu.

Então, pense da seguinte maneira: uma empresa que trabalha com transporte e logística só vai atingir seus objetivos e ter uma área financeira saudável, se tiver o controle financeiro em dia.

 

Como as margens são cada vez menores, e pequenos descontroles podem custar a saúde da empresa num todo, o controle financeiro eficiente em transporte e logística é fundamental. Sem ele, podem "chover" fretes que a transportadora vai estar em perigo. Fique atento!

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Fechar Menu